Wonder Boy 5 in Monster World III - Genesis




HEEELLLLLOOOOOOOOOOOO everybody!! Ta aí um jogo que eu particularmente me negava a jogar e nunca pensei que eu iria gostar. Sempre tive um tipo de repúdio a jogos side-scrolling que tenha um mundo inteiro para andar (que fosse "apenas uma fase"), mas esse eu meio que me forcei a jogar. Já ouvi falar muito bem dos jogos Wonder Boy, talvez tenha isso que tenha me encorajado a começar a engatinhar em Monster World. 


Wonder Boy 5 Monster World é o quinto jogo da série Wonder Boy e o terceiro jogo referente a série Monster World. Foi lançado para Genesis / Megadrive, Amiga, PC Engine, ZX Spectrum, Atari ST, Commodore 64, Master System e Arcade, só faltou ter sido lançado para algum console da Nintendo para eu ter tido a oportunidade de conhece-lo na época, mas falarei com base no jogo do Megadrive o qual eu tive a oportunidade de destrinchar em meu dingoo.



Normalmente escrevo sobre jogos que marcaram a minha infância e que tenho histórias para contar sobre determinado jogo, mas esse quebrou a ordem das coisas, joguei ele, pela primeira vez, recentemente e acabou que eu me amarrei no estilo (bem diferente e único) do jogo.


O jogo narra a aventura de Shion, um guerreiro que precisa derrotar os monstros que invadiram o Wonder World e restaurar a paz. Em questão a mesma coisa que os jogos anteriores, o enredo não possui uma história empolgante ou algum elemento que o prenda a atenção no mínimos detalhes, o que mais acontece são pequenas histórias separadas que tentam lhe passar o que está acontecendo em Wonder World (Monster World por causa dos monstros). 





Um dos fatores que me prederam neste game loco é seu esquema RPG + Side Scrolling + Exploração, a principio foram esses fatores que haviam me afastado de ter jogado ele antes, não sei se era preconceito meu de que é uma mistureba total e não era legal, mas só sei que quebrei a cara quando o jogo ficou mais sério. Uma coisa que eu aprendi jogando suikoden (maravilhooossoooo) foi que tem que passar pelo inicio do jogo para saber do que realmente se ta jogando. 


O jogo é bem direto com relação a objetivos, é simplesmente derrotar um chefe e depois adquirir uma arma ou um item que abre um determinado local que antes você não podia ir, é assim até o final do jogo. O dinheiro pode ser adquirido derrotando os inimigos que se encontram no caminho das missões. Apesar do Wonder Boy 5 possuir muitas coisas que lembre RPG's ele não possui o sistema de Up's e usa as armas como melhorias na força do personagem (Bem estilo no The Legend of Zelda), também os itens em forma de coração que aumentam seu HP.





Sabe quando você tá jogando algo que parece um desenho animado na sua frente? É essa a sensação que eu tive jogando Wonder Boy, o cenários são muito bem desenhados e muito coloridos, os personagens também possuem características únicas (referente a NPC's), cada cidade que você visita são pessoas diferente que moram nela, nunca é o mesmo sprite, porém, apesar dos inimigos também serem muito bem desenhados ainda existe a questão do reaproveitamento dos sprites para dizer que o inimigo está mais forte, apenas trocam a cor e colocam mais sangue e mais alguma habilidade que o anterior não possuía só para dizer que é um inimigo diferente.


Uma questão que gostei bastante foi a adição de alguns companheiros no game, personagens que te ajudam até determinado ponto. Ajudam a encontrar coisas e derrotar inimigos. São eles:


A Fada Priscilla


O Anão Hotta


O Ceifeiro Reaper


O Dragão Rotto




O digamos que a músicas do jogo é bem característica do Genesis, não generalizo essa questão de música porque Sonic tá aí para provar o contrário, mas realmente o Wonder Boy não teve nenhum ponto em especial em relação as músicas, até que são agradáveis em alguns momentos, mas não são marcantes.





Informações Adicionais:


Pouca gente sabe, ou se quer imaginava, que na década de 90 (mais preciso nos anos de 1993-1994), Shion deu as caras em algumas aventuras que foram produzidas para fazer uma promoção para o jogo. O nome do Gibi era Wonder Boy in Demon World.





Leonardo Soler

Retrogamer nas horas vagas. Mantém o Game Genius desde 2010 onde a internet ainda não tinha nem luz eletrica. Fã dos Power Rangers (até o PR no espaço). E é complicado o que é melhor, Final Fantasy VI ou Chrono Trigger. Google