Retro Review: Rock and Roll Racing



Este título, considerado um clássico da era do SNES, marcou a infância de muita gente por aí. Com uma trilha sonora incrível, o game traz diversas músicas do bom e velho Rock n' Roll digitalizadas. Embora a qualidade sonora seja muito boa, peca pela repetição: Existe uma variedade de quatro músicas mais ou menos, o que acaba se tornando um tanto quanto enfadonho. Além das músicas, o jogo conta com uma narração que, embora também não tenha muitas frases, é bem engraçada, para não dizer bizarra. Isso sem citar os sons de freadas, arrancadas e afins.


Graficamente, não é nada de mais. As pistas são incrivelmente simples, e os poucos carros também não possuem muitos detalhes, enquanto os sprites dos rostos dos corredores são tão bizarros que chega a dar medo. A interface do jogo também é bem simples.

A variedade de carros também é muito pequena. Existem apenas três modelos de veículos para serem selecionados no início do jogo, sendo que o jogador só tem dinheiro suficiente para escolher entre dois dos três modelos. A única customização de aparência possível dos carros é alterar a cor no momento da compra, o que, convenhamos, não é muita coisa. Porém, é possível equipar os carros com vários acessórios, desde turbos, motores mais potentes, mais cargas para o armamento, enfim, uma imensa quantidade de power ups pode ser adicionada ao seu veículo, o que aumenta bastante o fator replay do game.

A quantidade de pistas, adivinhem, deixa a desejar. Cada campeonato é composto por muitas corridas (que vão aumentando conforme o jogador avança), porém cada copa é composta por apenas quatro ou cinco pistas diferentes, sendo necessário que você corra na mesma tela por diversas vezes. Isso pode tornar o jogo um tanto repetitivo, mas não diminui muito a diversão proporcionada.

Quanto à jogabilidade, é possível que você demore um tempo para se acostumar com as derrapadas dos carros, mas nada de mais. Conforme você equipa seu carro, fica bem mais fácil de guiar. Para acelerar, basta segurar o botão B, enquanto o A é responsável por soltar armadilhas na pista, o X para atirar e o Y para soltar turbo/pular/etc. Os botões L e R servem para fazer drifts, mas as derrapadas que o carro dá quando você faz uma curva normalmente torna a função desses botões um tanto desnecessária. Porém, o estilo de câmera pode ser um problema em alguns momentos, pois por diversas vezes você vai se encontrar pulando uma rampa e acabando por cair do penhasco, sem nem ao menos alterar a direção do veículo.

O esquema de jogo é simples. Cada torneio é composto de um determinado número de corridas, e para avançar, é necessário que o jogador marque uma certa quantidade de pontos, que aumentam conforme você avança, sendo necessário melhores colocaçõs em boa parte do torneio. A pontuação e o dinheiro que o jogador ganha após cada partida é determinado pela posição que o mesmo atingiu durante a corrida, que são compostas por quatro carros e três voltas.

Para alcançar uma boa colocação, cada carro conta com alguns power ups específicos. Alguns contam com turbos, enquanto outros possuem pulos, e assim por diante, além de uma arma específica para cada um também. As pistas possuem alguns itens espalhados pelo trajeto, como dinheiro e itens de recuperação para o carro, que conforme vai levando dano, explode, fazendo com que o jogador perca um tempo precioso.

O jogo trás também um modo multiplayer para dois jogadores, em que cada um seleciona um carro que já vem totalmente equipado, com todos os stats no nível máximo. Existe ainda um método para se jogar no modo carreira com dois jogadores.

Apesar de todos os defeitos e da pouca variedade, este é um jogo que diverte bastante, e possui um nível de replay alto. Infelizmente não pude avançar muito no jogo, pois ainda não descobri como faço para o jogo me dar um password para que eu continue depois, mas enfim, dá pra se divertir.



Avaliação:
Gráficos: 7,5
Jogabilidade: 8
Som: 9
Diversão: 8,5
-
Nota final: 8
-
Comentário final: Apesar de bem precário, o título é bem divertido. Tendo como atrativo principal a trilha sonora, é um jogo bem agradável de se ouvir, e apesar das músicas serem digitalizações de músicas reais, ficou muito bom.


Pontos fortes: Trilha sonora e muitos equipamentos para os veículos

Pontos fracos: Pouca variedade de carros, pistas e músicas

Leonardo Soler

Retrogamer nas horas vagas. Mantém o Game Genius desde 2010 onde a internet ainda não tinha nem luz eletrica. Fã dos Power Rangers (até o PR no espaço). E é complicado o que é melhor, Final Fantasy VI ou Chrono Trigger. Google